2006-05-17

Eco do Evangelho de Domingo, 21 de Maio

S. João 15,9-17.
«Assim como o Pai me tem amor, assim Eu vos amo a vós. Permanecei no meu amor.
Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu, que tenho guardado os mandamentos do meu Pai, também permaneço no seu amor.
Manifestei-vos estas coisas, para que esteja em vós a minha alegria, e a vossa alegria seja completa.
É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei.
Ninguém tem mais amor do que quem dá a vida pelos seus amigos.
Vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando.
Já não vos chamo servos, visto que um servo não está ao corrente do que faz o seu senhor; mas a vós chamei-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi ao meu Pai.
Não fostes vós que me escolhestes; fui Eu que vos escolhi a vós e vos destinei a ir e a dar fruto, e fruto que permaneça; e assim, tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome Ele vo-lo concederá.
É isto o que vos mando: que vos ameis uns aos outros.»

7 comentários:

  1. «fui Eu que vos escolhi»

    ResponderEliminar
  2. «Permanecei no meu amor»

    António da Veiga

    ResponderEliminar
  3. «para que a vossa alegria seja completa»

    ResponderEliminar
  4. que esteja em vós a minha alegria,

    ResponderEliminar
  5. Ninguém tem mais amor do que quem dá a vida pelos seus amigos.

    ResponderEliminar
  6. DAR FRUTO QUE PERMANEÇA
    Charles de Foucauld (1858-1916), eremita e missionário no Saará
    escreveu nas Meditações sobre os Salmos, Sl 1

    «Dar o fruto na estação própria
    “Feliz do homem que... medita na Lei dia e noite. Será como uma árvore plantada à beira das torrentes, que dá o seu fruto na época própria” (Sl 1, 1-3). Meu Deus, vós me dizeis que eu serei feliz, feliz de uma verdadeira felicidade, feliz no último dia..., que por mais miserável que eu seja, sou uma palmeira plantada à beira das águas vivas da vontade divina, do amor divino, da graça..., e que darei o meu fruto na época própria. Dignai-vos consolar-me; sinto-me sem fruto, sinto-me sem boas obras, digo a mim mesmo: converti-me depois de onze anos, que fiz? Quais foram as obras dos santos e quais as minhas? Vejo-me de mãos vazias de bem.

    Dignai-vos consolar-me: “Darás fruto na época própria” me dizeis vós... Qual é essa época? É a hora do julgamento: prometei-me que se eu persistir na boa vontade e no combate, por mais pobre que me veja, terei frutos nessa altura.»

    ResponderEliminar
  7. O texto do Charles de Foucauld é uma beleza e duma naturalidade fantástica na relação com Deus!
    Que seja inspirador para nós.
    frei

    ResponderEliminar