2012-10-31

A nova evangelização


António Couto, bispo de Lamego, foi um dos participantes no Sínodo sobre a nova evangelização. 
Aqui ficam algumas frases de uma entrevista dada à agência Ecclesia e que nos podem ajudar a reflectir sobre os desafios dos tempos que vivemos.

Ecclesia – O que significa a expressão “nova evangelização”?
António Couto – Se o soubéssemos já não seria necessário fazer o Sínodo. Penso que é mesmo por não sabermos o que é e sobretudo como fazer a nova evangelização que o Papa convocou este Sínodo!

E – A expressão está em debate agora. Foi lançada por João Paulo II em 1979. Daí para cá o que aconteceu?
AC – A expressão já existia nas igrejas da América Latina da década de 70, tendo sido consagrada por Puebla. Mas foi, de facto, o Papa João Paulo II em 1979, na Polónia, que lançou pela primeira vez essa expressão, sem ainda lhe dar conteúdo. (...) Creio que ele não quis dizer que era necessário inventar coisas novas, nem em termos de métodos nem de expressões, porque essas estão mais do que consagradas no Evangelho. O Evangelho de Jesus, como Ele o diz e o faz acontecer, é a metodologia mais revolucionária que conheço!
E – Em que consiste?
AC – É a metodologia direta, de um verdadeiro líder! Ele não diz: “este é o caminho, sigam…”. Ele faz o caminho, vai à frente, as pessoas seguem-n’O e aprendem com Ele. É, ao mesmo tempo, uma escola, um trabalho, uma missão, uma vocação.
Esta metodologia supõe uma Igreja com bons líderes, do clero e dos leigos, que levem outras pessoas com eles, que não indiquem caminhos abstratos às pessoas, mas que caminhem com elas.
 
E – Aí estará a verdadeira transformação a fazer?
AC – A verdadeira transformação tem de começar pelo sujeito da evangelização. Não tanto pelo destinatário.
Quem faz a evangelização – os bispos, os sacerdotes, os leigos e todos os que estão empenhados no Evangelho – tem de começar por uma grandíssima reforma de vida, uma grandíssima conversão ao estilo de Jesus. Jesus era um homem feliz, pobre, despojado, ousado, próximo e dedicado. Esse tem de ser o estilo do evangelizador. Se nós tivermos evangelizadores assim, audazes, testemunhas verdadeiras, pura transparência de Jesus Cristo, não tenho dúvidas que a mensagem passará. Se formos desfigurados e nosso rosto não for o de testemunhas verdadeiras, se não for claro que seguimos a mensagem que Ele nos deixou, o Evangelho não passa e continuará a não passar.

Diálogo com o Evangelho


Diálogo com o Evangelho da solenidade de Todos os Santos, 1 de novembro, pelo Frei Eugénio, no programa de rádio "Raízes de Cá"

A vida questiona o Evangelho de 1 de novembro - todos os santos


Mt. 5,1-12a.
Naquele tempo, ao ver as multidões, Jesus subiu a um monte. Depois de se ter sentado, os discípulos aproximaram-se dele. Então tomou a palavra e começou a ensiná-los, dizendo:
«Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu.
Felizes os que choram, porque serão consolados.
Felizes os mansos, porque possuirão a terra.
Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.
Felizes os puros de coração, porque verão a Deus.
Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.
Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu.
Felizes sereis, quando vos insultarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o género de calúnias contra vós, por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque grande será a vossa recompensa no Céu; pois também assim perseguiram os profetas que vos precederam.»

2012-10-27

A vida questiona o Evangelho de Domingo, 28 de outubro


Mc. 10,46-52.
Naquele tempo, quando Jesus ia a sair de Jericó com os seus doiscípulos e uma grande multidão, um mendigo cego, Bartimeu, o filho de Timeu, estava sentado à beira do caminho. E ouvindo dizer que se tratava de Jesus de Nazaré, começou a gritar e a dizer: «Jesus, filho de David, tem misericórdia de mim!»
Muitos repreendiam-no para o fazer calar, mas ele gritava cada vez mais: «Filho de David, tem misericórdia de mim!»
Jesus parou e disse: «Chamai-o.» Chamaram o cego, dizendo-lhe: «Coragem, levanta-te que Ele chama-te.»
E ele, atirando fora a capa, deu um salto e veio ter com Jesus.
Jesus perguntou-lhe: «Que queres que te faça?» «Mestre, que eu veja!» respondeu o cego.
Jesus disse-lhe: «Vai, a tua fé te salvou!» E logo ele recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho.

2012-10-21

Renovar a esperança


"The Oslo accords have not been pursued in the way that they should... But the peace process needs to continue.” 
Gro Harlem Brundtland

Esta semana, o grupo The Elders visita o Médio Oriente: Harlem Gro Brundtland, Jimmy Carter e Mary Robinson visitarão Israel, Cisjordânia e Cairo.  
Podemos seguir a viagem no aqui.

2012-10-20

Diálogo com o Evangelhor


Diálogo com o Evangelho de Domingo, 21 de outubro, pelo Frei Eugénio, no programa de rádio "Raízes de Cá"

A vida questiona o Evangelho de Domingo, 21 de Outubro

 O lava-pés
Marcos 10,35-45.
Naquele tempo, Tiago e João, filhos de Zebedeu, aproximaram-se de Jesus e disseram-Lhe: «Mestre, queremos que nos faças o que te pedimos.»  Disse-lhes: «Que quereis que vos faça?» Eles disseram: «Concede-nos que, na tua glória, nos sentemos um à tua direita e outro à tua esquerda.»
Jesus respondeu: «Não sabeis o que pedis. Podeis beber o cálice que Eu bebo e receber o baptismo com que Eu sou baptizado?»
Eles disseram: «Podemos, sim.» Jesus disse-lhes: «Bebereis o cálice que Eu bebo e sereis baptizados com o baptismo com que Eu sou baptizado; mas o sentar-se à minha direita ou à minha esquerda não pertence a mim concedê-lo: é daqueles para quem está reservado.»
Os outros dez, tendo ouvido isto, começaram a indignar-se contra Tiago e João.
Jesus chamou-os e disse-lhes: «Sabeis como aqueles que são considerados governantes das nações fazem sentir a sua autoridade sobre elas, e como os grandes exercem o seu poder. Não deve ser assim entre vós. Quem quiser ser grande entre vós, faça-se vosso servo e quem quiser ser o primeiro entre vós, faça-se o servo de todos. Pois também o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por todos.»

2012-10-16

Nobel da Paz


Os 500 milhões de cidadãos da U.E. receberam o Prémio Nobel da Paz

Houve um francês, político e chefe militar genial, que quis com os seus exércitos “unificar” a Europa sob a bandeira francesa.
E falhou! Foi Napoleão Bonaparte.
Houve um alemão orador sem igual, que no seu combate pela “unificação” da Europa sob a bandeira germânica, a devastou com o seu poder militar.
E falhou! Foi Adolfo Hitler.

Houve um francês, que propôs que as fontes de energia essenciais para as indústrias da Alemanha e da França, o carvão e o aço, ficassem dependentes de uma Alta Autoridade comum e aberta à participação de outros países europeus. E do outro lado da fronteira um alemão aceitou o projecto.
O francês era Robert Schuman e o alemão Konrad Adenauer.
E conseguiram a reconciliação franco-alemã essencial para a reconciliação europeia!

Assim nasceu a 9 de Maio de 1950 a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, que esteve na origem da União Europeia.
E já passaram 62 anos de paz e sem guerra entre grandes nações da Europa, o que nunca tinha acontecido até então.

A quem vai a História dar razão?
Ao poder das armas que destrói para dominar?
Ou à fraqueza da reconciliação, que quer viver na solidariedade?

Esta construção europeia que agora recebeu o prémio Nobel da Paz assenta sobre estes pilares: a paz, a liberdade, a solidariedade, a aproximação dos povos, a democracia e a tolerância.

Se o Robert Schuman e  o Konrad Adenauer estivessem vivos hoje,  certamente diriam:”O prémio Nobel não é para nós dois, mas sim para cada um dos 500 milhões de cidadãos europeus que querem viver em paz!”

 frei Eugénio Boléo op

 Bruxelas, 15 de Outubro de 2012

2012-10-13

2012-10-12

A vida questiona o Evangelho de Domingo, 14 de outubro

Mc. 10,17-30.
Naquele tempo, ia Jesus pôr-se a caminho, quando um homem correu para Ele e ajoelhou-se, perguntando: «Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?»
Jesus disse: «Porque me chamas bom? Ninguém é bom senão um só: Deus. Sabes os mandamentos: Não mates, não cometas adultério, não roubes, não levantes falso testemunho, não defraudes, honra teu pai e tua mãe.» Ele respondeu: «Mestre, tenho cumprido tudo isso desde a minha juventude.»
Jesus, fitando nele o olhar, sentiu afeição por ele e disse: «Falta-te apenas uma coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu; depois, vem e segue-me.»
Mas, ao ouvir tais palavras, ficou de semblante anuviado e retirou-se pesaroso, pois tinha muitos bens.
Olhando em volta, Jesus disse aos discípulos: «Quão difícil é entrarem no Reino de Deus os que têm riquezas!»
Os discípulos ficaram espantados com as suas palavras. Mas Jesus prosseguiu: «Filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus.»
Eles admiraram-se ainda mais e diziam uns aos outros: «Quem pode, então, salvar-se?»
Fitando neles o olhar, Jesus disse-lhes: «Aos homens é impossível, mas a Deus não; pois a Deus tudo é possível.»
Pedro começou a dizer-lhe: «Aqui estamos nós que deixámos tudo e te seguimos.»
Jesus respondeu: «Em verdade vos digo: quem deixar casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos ou campos por minha causa e por causa do Evangelho, receberá cem vezes mais agora, no tempo presente, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, juntamente com perseguições, e, no tempo futuro, a vida eterna.

2012-10-11

11 de Outubro

Em 11 de Outubro de 1962 começava em Roma o Concílio Vaticano II.

 Aqui fica um extracto do diário desse dia do Padre dominicano Yves Congar, que vale a pena ler na íntegra aqui.

"A Missa começa, cantada exclusivamente pela Sistina: algumas peças de gregoriano (?) e de polifonia. O movimento litúrgico não chegou ainda à Cúria romana. Esta imensa assembleia não diz nada, não canta nada.

Diz-se que o povo judeu é o povo do ouvido, os gregos o povo do olho. Aqui nada mais há se não para o olho e para o ouvido musical: nenhuma liturgia da Palavra. Nenhuma palavra espiritual. Eu sei que uma Bíblia será colocada num trono, para presidir ao Concílio. Mas será que ela falará? Escutá-la-emos? Haverá aqui um momento para a Palavra de Deus?

Depois da Epístola, deixo a tribuna. Não posso mais. Além disso, estou esmagado por este aparelho senhorial e renascentista. Detenho-me um momento sob a nossa tribuna; diretamente atrás dos bispos, no alto da bancada, vemos o conjunto da imensa assembleia branca de capas e mitras, interrompida pelos bispos orientais com os seus hábitos e os seus chapéus coloridos. Sou expulso, ao fim de cinco ou dez minutos, por um guarda."
Por aqui já dá para se ver que Igreja chega ao Vaticano II! 
Hoje celebra-se também (pela primeira vez) o dia Internacional das Meninas (Day of the Girl: giving girls a voice).
Aqui fica este video e este apelo. Para acabar com o casamento das crianças (10 milhões por ano em todo o mundo!)

2012-10-06

Diálogo com o Evangelho

 



Diálogo com o Evangelho de Domingo, 7 de Outubro, pelo Frei Eugénio, no programa de rádio "Raízes de Cá".

A vida questiona o Evangelho de Domigo, 7 de Outubro

 Nossa Senhora do Rosário

Mc. ‪10,2-16.‬
Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus uns fariseus e perguntaram-lhe, para O experimentar, se era lícito ao marido divorciar-se da mulher. Ele respondeu-lhes: «Que vos ordenou Moisés?»
Disseram: «Moisés mandou escrever um documento de repúdio e divorciar-se dela.»
Jesus retorquiu: «Devido à dureza do vosso coração é que ele vos deixou esse preceito. Mas, desde o princípio da criação, Deus fê-los homem e mulher. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe para se unir à sua mulher, e serão os dois um só. Portanto, já não são dois, mas um só. Pois bem, o que Deus uniu não o separe o homem.»
De regresso a casa, de novo os discípulos o interrogaram acerca disto. Jesus disse: «Quem se divorciar da sua mulher e casar com outra, comete adultério contra a primeira. E se a mulher se divorciar do seu marido e casar com outro, comete adultério.»
Apresentaram-lhe uns pequeninos para que Ele os tocasse; mas os discípulos repreenderam os que os haviam trazido. Vendo isto, Jesus indignou-se e disse-lhes: «Deixai vir a mim os pequeninos e não os afasteis, porque o Reino de Deus pertence aos que são como eles. Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como um pequenino, não entrará nele.» Depois, tomou-os nos braços e abençoou-os, impondo-lhes as mãos.