2007-06-02

VIVA o EVANGELHO de Domingo, 3 de Junho Santíssima Trindade

Jo. 16,12-15
«Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de as compreender por agora. Quando Ele vier, o Espírito da Verdade, há-de guiar-vos para a Verdade completa. Ele não falará por si próprio, mas há-de dar-vos a conhecer quanto ouvir e anunciar-vos o que há-de vir. Ele há-de manifestar a minha glória, porque receberá do que é meu e vo-lo dará a conhecer. Tudo o que o Pai tem é meu; por isso é que Eu disse: 'Receberá do que é meu e vo-lo dará a conhecer'.»

3 comentários:

  1. De um texto de Teresa de Ávila a propósito da Santíssima Trindade:
    «A verdade sobre a Santíssima Trindade tinha-me sido exposta por teólogos, mas nunca a compreendi como a compreendo agora, depois daquilo que Deus me mostrou. [...] Foram-me representadas três Pessoas distintas, que podem ser consideradas e com quem se pode conviver em separado. Percebi depois que só o Filho encarnou, o que mostra claramente a realidade desta distinção. Estas Pessoas conhecem-Se, amam-Se e comunicam entre Si. Mas, se as três Pessoas são distintas, como dizemos que têm, todas três, uma mesma essência? Com efeito, é nisso que acreditamos; trata-se de uma verdade absoluta, pela qual estaria disposta a sofrer mil vezes a morte. Estas três Pessoas têm um único querer, um só poder, uma única soberania, de tal maneira que nenhuma delas pode coisa alguma sem as outras, e que há um só Criador de tudo quanto foi criado. Poderia o Filho criar uma formiga que fosse sem o Pai? Não, porque eles têm um mesmo poder. E o mesmo acontece com o Espírito Santo.
    [...]
    Como é então que vemos três Pessoas distintas? Como é que o Filho encarnou, sem que o Pai e o Espírito Santo tenham encarnado? Eu não o compreendo; os teólogos sabem explicá-lo. O que eu sei é que as três Pessoas concorreram para esta obra maravilhosa. De resto, não me detenho durante muito tempo em questões deste género; o meu espírito passa imediatamente à verdade de que Deus é todo-poderoso e de que, tendo-o querido, pôde fazê-lo, e poderia, da mesma maneira, fazer tudo o que quisesse. Quanto menos compreendo estas coisas, mais acredito nelas, e mais devoção delas retiro. Bendito seja Deus para sempre! Ámen.»

    ResponderEliminar
  2. Anónimo3/6/07 22:55

    Caros Domoingas e Paulo
    Bem hajam por terem retomado a vossa presença no Regador.
    O comentário de Sante Teresa é muito simples e complexo ao mesmo tempo"Quanto menos compreendo estas coisas, mais acredito nelas, e mais devoção delas retiro. Bendito seja Deus para sempre! Ámen.» mas ajuda-me a ver que penetramos no Mistério de Deus.
    frei Eugénio

    ResponderEliminar
  3. Hugo Meireles4/6/07 00:35

    A leitura deste texto de Santa Teresa de Ávila levanta um problema que será insolúvel a não ser pela inspiração do próprio Espírito Santo.

    É de facto, para mim, um dilema que só consigo superar na Fé e acreditando nas palavras de Jesus que nos promete que não nos abandona e que se manifestará através do Espírito Santo. É a “herança” que nos lega para depois da sua morte e ressurreição. Jesus diz mesmo: é preciso que eu vá para que o Paráclito possa vir anunciar-nos a Salvação.(Jo 16,7)

    E a manifestação constante do Paráclito na minha vida e na daqueles que acreditam, é a prova da Ressurreição de Jesus Cristo e da Salvação prometida a todos os homens.

    Talvez esta dificuldade que tenho em entender o Espírito Santo como uma pessoa, resida no facto de podermos idealizar Deus Pai e Deus Filho com um rosto humano e não conseguirmos idealizar o Espírito Santo com uma figura humana.

    Por outro lado, temos sempre dificuldade em entender, na nossa limitação humana, três manifestações distintas e individualizadas de uma só pessoa – o nosso Deus. Mas este é um mistério que só vamos poder entender completamente quando o nosso Deus o quiser revelar. Para já apenas o podemos entrever mas não desvendar, como muitos mistérios que a vida nos coloca e que nunca conseguimos explicar.

    Assim, só mesmo na Fé podemos entender o Espírito Santo. Acreditemos, portanto, nas palavras de Jesus. Como Ele disse a Nicodemos, é impossível ver o Espírito; pode-se “ouvir a Sua voz”, pode-se reconhecer a Sua passagem por sinais, mas não se pode saber, nem donde Ele vem, nem para onde Ele vai. (Jo. 3,8).

    O Espírito age através das pessoas; e é uma acção que parte do interior e é do interior que o podemos conhecer. Como disse Jesus “vós o conheceis porque Ele permanece em vós” (Jo 14,17). Procuremo-Lo, portanto no nosso íntimo; deixemos que Ele se manifeste escutando-O. Para isso temos de estar atentos aos sinais que o Senhor nos envia.

    É acreditando nas palavras de Jesus que hoje lhe peço: Senhor, abre o meu coração ao Teu Espírito Santo, para que Ele ilumine as minhas acções, as minhas palavras e o meu pensamento.

    E não posso deixar de Lhe dar graças, também, pelo sopro do Espírito no meu baptismo e por ter alimentado essa chama apesar de eu a deixar, tantas vezes esmorecer, com a minha cegueira e a minha surdez, esquecendo que Jesus Ressuscitado é o centro da minha existência e a porta para a Salvação e que Ele me fala hoje pelo Seu Espírito Santo. Ámen

    ResponderEliminar