2006-11-17

Eco do Evangelho de Domingo, 19 de Novembro

Mc.13,24-32.
[...] o Sol vai escurecer-se e a Lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do céu e as forças que estão no céu serão abaladas.
Então, verão o Filho do Homem vir sobre as nuvens com grande poder e glória. Ele enviará os seus anjos e reunirá os seus eleitos dos quatro ventos, da extremidade da terra à extremidade do céu.
«Aprendei, pois, a parábola da figueira. Quando já os seus ramos estão tenros e brotam as folhas, sabeis que o Verão está próximo.
Assim, também, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que Ele está próximo, às portas. Em verdade vos digo: Não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam.
O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão.
Quanto a esse dia ou a essa hora, ninguém os conhece: nem os anjos do Céu, nem o Filho; só o Pai.»

9 comentários:

  1. Estou a preparar a minha homilia.
    Quem quer dar-me uma ajuda a partir do que vive e como entende os "sinais dos tempos".
    Desde já agradeço.
    frei Eugénio

    ResponderEliminar
  2. Este evangelho não é fácil...
    E tb não é fácil ler o que Deus nos escreve através dos acontecimentos. Isto lembra-me a frase: "Maria guardava todas essas coisas no seu coração".

    ResponderEliminar
  3. Eu diria que este Evangelho não transmite um ensino de compreensão fácil pois tem a ver com um contexto de "fim dos tempos" e de "última vinda de Jesus".
    Ora estes temas estão longe da nossa realidade .
    Daqui a vossa ajuda.
    "Lendo" os acontecimentos actuais que os preocupam ou/e interessam, estão a dar-me uma ajuda muito grande.
    Para preparar uma homilia preciso dedescobrir onde estão os corações e os pensamentos de quem me escuta.
    Embora esteja a 1700 Km de Portugal
    os fiéis que vou encontrar são esmagadoramente portugueses.
    Desde já agradeço o vosso contributo.
    Obrigado ao primeiro aónimos que respondeu.Simplesmente se guarda no seu coração, só posso aproveitar se partilhar o que guardou.
    frei Eugénio

    ResponderEliminar
  4. Basta ligar a televisão, diariamente, para perceber "o fim dos tempos" a acontecer em cada conflito, em cada gesto de incompreensão, em cada olhar de indiferença e, tudo isto, à escala mundial. Fomentam-se as guerras, destroem-se patrimónios e, sobretudo, vidas. As pessoas encontram-se envolvidas num conjunto de respostas que não formularam, mas às quais acabaram por aderir. Os valores inverteram-se e o poder passou a ocupar o primeiro lugar desta escala, outrora ocupado pela solidariedade do grupo. A detenção dos meios económicos passou a ser a arma para vencer e, para isso, abriu-se o espaço para o individualismo, o egoísmo, a alienação. Estes são sinais do fim dos tempos e, a prova está em parar um pouco o ritmo acelerado das nossas vidas e escutar o outro. Quantos corações solitários, no meio desta selva urbana, quantas depressões, quantos suicídios, quanta falta de referências, enfim, quantos rostos que perderam a luz, por já nem saberem sorrir?
    Hoje em dia, deixar Jesus entrar na nossa vida e segui-lO, é um privilégio, é uma "lufada de ar fresco", é uma porta a abrir-se para a Verdade. Quem acredita, hoje, constitui um oásis no meio deste deserto de vinganças, jogos de poder e políticas opacas. Deixar Jesus indicar-nos o caminho não é virar as costas à sociedade doente em que vivemos, mas sim abraçá-la, confortá-la e curar, pouco a pouco, as suas feridas. Quantas vezes nas nossas vidas já não sentimos que um simples sorriso mudou o nosso dia, que prometia ser mais uma vez angustiante? Ser de Jesus, hoje, é uma graça, pois significa ter os olhos abertos, mas também o coração; significa dar sem esperar nada em troca; significa dar-se, sem ter medo do desdém de todos aqueles que decidiram fechar-se à felicidade e ao amor.
    Porém, é um Caminho difícil, cheio de obstáculos, repleto de decepções, de lágrimas silenciosas, por vezes. Jesus não prometeu que seria fácil, mas apenas que valeria a pena. E vale. Vale a pena sentir-se Amado por Deus, continuar a sentir-se único(a), enquanto filho(a) de um Pai que apenas quer o nosso bem e que nos Ama enquanto pecadores, apenas porque vivemos e porque foi Ele que nos escolheu. Vale a pena sentir-se tantas vezes só, mesmo com ecos de vozes à nossa volta, mas sabermos que estamos com Ele, apenas porque Lhe abrimos a porta, apenas porque quisémos saber mais e deixar-se Amar. Na oração encontramos todas as respostas e a força para as pôr em prática, pois sentimo-nos exclusivamente amados por Deus, que conhece todas as nossas qualidades e fraquezas. Com Ele não há fingimentos, trapaçarias, mentiras, pois não precisamos disso. O poder económico torna-se insignificante, palavras como egoísmo, indiferença ou solidão, deixam de fazer sentido. O Amor entra nas nossas vidas e tornamo-nos instrumento da Vontade de Deus, vamos para a rua e já não temos medo, pois a força do espírito Santo está em nós. Hoje em dia, não troco Jesus por nada, pois fazê-lo seria deixar-me matar. Perco muitas vezes o contacto com Ele, é verdade, quando me afasto e me deixo entrar na montanha russa em que gira a sociedade actualmente, a uma velocidade vertiginosa; mas procuro ouvi-lO outra vez, volto a aproximar-me e lá está Ele, sempre, sempre. Os sinais do "fim dos tempos" estão aí, nos ruídos dos tanques, nos gritos de dor, nas vidas dilaceradas pela falta de esperança; mas muito mais forte é a Luz de Cristo, muito mais grandiosa e resplandecente é a sua vinda, que acontece quando a isso estivermos dispostos...

    ResponderEliminar
  5. Normalidade / Deslumbramento / Louvor

    Esperado / Inesperado / Esperança

    é normal que uma figueira dê figos, no tempo dos figos. Louvado seja Deus!

    um eclipse, de sol ou de lua, é sempre um momento de deslumbramento. Louvado seja Des!

    quem gosta de figos , em Setembro, esperam encontrá-los na figueira.

    quem é surpreendido pela escuridão no meio de um dia de sol tem que lidar com o inesperado.

    COmo é que viver o esperado e o inesperado nos pode fazer crescer na esperança?

    ResponderEliminar
  6. Vou dar uma possível interpretação que pode não ser a mais correcta:

    Da mesma forma que Jesus disse “Destruí este templo e em três dias o levantarei …”, assim neste evangelho, Jesus fala da sua morte << o Sol vai escurecer-se e a Lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do céu e as forças que estão no céu serão abaladas >>, e fala também, dos dias posteriores << Então, verão o Filho do Homem vir sobre as nuvens com grande poder e glória. Ele enviará os seus anjos e reunirá os seus eleitos dos quatro ventos, da extremidade da terra à extremidade do céu. >>.

    Preparando os discípulos e a nós para conseguirmos vencer sem desanimo, mas com Fé e ESPERANÇA os momentos mais difíceis que possamos viver, procurando reconhecer os sinais da sua presença no meio de nós.

    Deus também nos põe à prova e Jesus pede-nos que aprendamos com a parábola da figueira:

    << esse dia ou a essa hora >> de dor, aflição e desamparo, que só o Pai conhece e escolhe para nós, devemos ser fortes e não perdermos a Fé, ao saber que foi Jesus que disse << O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. >>

    Com isto tudo, se ainda somos fracos, em muitos momentos, então Senhor, tem compaixão de nós. Ajuda-nos a estar preparados para reconhecer os sinais que nos dás, da chegada do teu Verão pelo brotar das folhas ou os ramos das árvores que nos envias, Amén.

    ResponderEliminar
  7. Bem hajam pela partilha. Para mim é muito enriquecedor poder ter "ecos" da experiência vivida que procuro ligar à Palavra recebida.
    Bom Domingo e boas celebrações.
    frei Eugénio

    ResponderEliminar
  8. Para o frei Eugénio.

    Lamento não ter ideias que te ajudem a preparar a omilia, mas ao menos rezei por ti.
    Um abraço,
    António da Veiga

    ResponderEliminar
  9. A homilia correu bem? Não quer espalhar por aqui algumas gotas das palavras proferidas?
    Um abraço e parabéns pela iniciativa de pedir contributos.

    ResponderEliminar