2009-11-09

O mapa do mundo islâmico

O islamismo está em segundo lugar, a seguir ao Cristianismo, entre as religiões mundiais, mas muitas pessoas ainda acreditam que a população mundial está concentrada principalmente no Próximo Oriente e Norte de África. Um relatório credível explora isto e outras crenças populares.

POPULAÇÃO MUÇULMANA POR REGIÕES

As pessoas que advertem acerca da rápida islamização da Europa talvez tenham que emendar as suas ideias em face do relatório do autorizado Pew Forum on Religion and Public Life de Washington.

O relatório com um gráfico da posição do Islamismo no mundo mostra que, com a excepção da Rússia, a presença islâmica na maioria dos países europeus é relativamente pequena. É de notar que 23% da população mundial é muçulmana, mas 60% não vive na origem do islamismo (Próximo Oriente e Norte da África) mas na Ásia, e que no Próximo Oriente e Norte de África a percentagem de Muçulmanos é de 91%.

Na Europa, os 4 milhões de Muçulmanos representam 5% da população alemã, 3,5m em França 6%,, 1m na Holanda 5,7% e 1,6m em Inglaterra 2,7%. Em contraste a Itália (36.000 Muçulmanos) e a Irlanda (22.000) têm menos de 1% da população, e os 650.000 Muçulmanos da antigamente muçulmana Espanha são cerca de 1%. Os 15.000 muçulmanos de Portugal são só 0,1% da população.

Os países asiáticos com maior população muçulmana são a Indonésia (203m), Paquistão (174m), Índia (161m), Bangladesh (145m), Irão (74m) e Turquia (74m). Estes países juntos somam mais de metade do mundo muçulmano e os únicos países que se lhe assemelham são o Egipto (78,5m) e a Nigéria (78m –50%). A percentagem de Muçulmanos no Níger (15m) e na Somália (9m) e de 98%.

Numa disputa de liderança logo após a morte de Maomé em AD632, os Muçulmanos dividiram-se entre Sunitas e Shiitas. As diferenças actuais entre as seitas incluem questões de autoridade rligiosa, prática, teológica e o papel dos descendentes de Maomé. Não há números exactos de Shiitas e Sunitas, mas a grande maioria é Sunita. 68% a 80% dos Shiitas vivem no Irão, Paquistão, Índia e Iraque

Conquanto o relatório dê uma informação preciosa para os que se interessam pela complexidade religiosa no mundo, é omisso em assuntos tais como as áreas relativas de expansão e retracção, e no merecimento de maior atenção internacional de algumas regiões. Não diz nada sobre as potenciais zonas de confronto e conflito.

James Roberts, THE TABLET, 17 de Outubro de 2009 (tradução e resumo por António Alte da Veiga)

13 comentários:

  1. Coisas que se vão descobrindo sobre o islam.
    Um muçulmano pode ser o maior criminoso em relação aos não muçulmanos e mesmo para com muçulmanos.
    Os outros muçulmanos não o julgam, allah sabe mais e allah é que o julgará.
    Ele, o muçulmano criminoso, pode ter feito coisas proveitosas para o islam, e os outros muçulmanos não o saberem.

    Um não-muçulmano pode ser a melhor e a mais santa das pessoas.
    Para os muçulmanos não tem valor e é para submeter.
    Para o islam, o pior muçulmano está acima do melhor não muçulmano.

    Um não-muçulmano pode fazer o melhor dos bens aos muçulmanos, estes nada lhe agradecem.
    Agradecem só a allah, mesmo que allah os tenha posto ou ponha na maior das desgraças e misérias.

    Os muçulmanos nunca podem por em causa maomé e allah, quando foi o próprio maomé a revelar-nos que
    o seu allah era o responsável por todo o mal do mundo.

    Os muçulmanos dizem o que dizem e fazem o que fazem, porque isso lhes traz proveitos e os não muçulmanos, continuam
    cegos e a não quererem ver o que o islam realmente foi, é e quer ser.
    Está tudo escrito, é só dar um pouco de atenção para descobrir estas e outras verdades sobre aquela coisa, o islam.

    O islam aproveita-se da bondade, generosidade, ingenuidade e passividade dos não-muçulmanos, para ir construindo a
    sua maldade.

    Mesmo que isso passe por desmascarar o mais mascarado dos males, tipo islam, as pessoas boas têm o direito, dever
    e obrigação de defenderem e construírem o bem.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado António por este excelente artigo. É que fartos de ideias tontas, sem fundamentos (científicos, estatísticos ou outros) andamos nós...

    ResponderEliminar
  3. É excelente o site do "Pew Forum on Religion and Public Life de Washington" a que se pode aceder pelo link deste post.
    Tem imensa informação rigirosa e assente em relatórios detalhados sobre o impacto da religião em todo o mundo.

    ResponderEliminar
  4. eu achei isso muito massa !

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  6. PO CARA BOM DE MAIS PRA SER VERDADE ISSO É MASSA SABIA ? MUNITAS PESSOAS NÃO LIGAM PARA O ISLAMISMO MAIS EU LIGO EU TO FAZENDO ATÉ TIATRO MAIS QUE É BOM É BOM DE MA++++ BJOS PRA TODOS E VE SE ALGUEM LEU MEU DEPOIMENTO RSRS BJOSSSS!!

    ResponderEliminar
  7. Que tipo de teatro é que POLLYANA faz? Tem algo a ver com a fé?

    ResponderEliminar
  8. Anónimo2/8/10 23:06

    e feio isso gente nao faça

    ResponderEliminar
  9. Anónimo4/3/13 21:59

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  13. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar